Você sabe como funciona um investimento coletivo? Entenda agora!

Papo IOUU

leitura de 6 min

Capitalização do negócio: é uma boa opção?

Com o atual cenário econômico, torna-se muito difícil expandir uma empresa, pois, com a diminuição d...

leitura de 4 min

O investimento coletivo é uma ótima oportunidade para que investidores possam aplicar seus recursos e comprar cotas de novas ou pequenas empresas. Existem muitos negócios no Brasil, com grandes e importantes projetos que podem beneficiar o mercado e a sociedade.

No entanto, com a falta de recursos e barreiras burocráticas, eles não conseguem sair do papel ou desenvolvem-se muito lentamente, devido à falta de capital. Sendo assim, o investimento coletivo se tornou um meio de pessoas apostarem nessas empresas e obterem lucro com isso.

Para que você entenda mais sobre o assunto, preparamos este artigo. Conheça os benefícios, cuidados e funcionamento dessa modalidade de aplicação que tem ganhado grande destaque:

Como funciona o investimento coletivo?

O investimento coletivo é uma maneira de conseguir recursos financeiros usando a soma de pequenos investimentos para alcançar o valor desejado. Existem diferentes modalidades e fins que esse dinheiro ou as cotas podem ter, como projetos sociais, ambientais, sustentáveis e até mesmo pessoais.

Assim, são reunidos diversos investidores para que esses planos sejam colocados em ação e, consequentemente, obtém-se retorno financeiro com essas aplicações.

Atualmente, essa modalidade é muito utilizada como estratégia para potencializar os recursos de uma empresa, sendo muito similar aos fundos de investimento, em que várias pessoas se reúnem para aumentar a geração de resultados.

Isso o torna uma prática mais eficiente e vantajosa do que as aplicações individuais. Normalmente, você recebe a sua rentabilidade (reembolso) mensalmente, somado ao valor do juro correspondente e previamente acordado, que, é mais atrativa do que as taxas praticadas pelas instituições bancárias.

Como surgiu?

Em meados de 1700, o Papa Alexandre uniu investidores para que fosse possível traduzir as Ilíadas de Homero para o inglês, o que já é um exemplo de financiamento coletivo. Depois, os Estados Unidos começaram a arrecadar fundos para a construção do pedestal da famosa Estátua da Liberdade, em 1885. Isso só foi possível com a união de diversos investidores.

Contudo, no âmbito empresarial, essa prática só foi ganhar nome e destaque a partir do ano de 2006, quando as “contribuições” começaram a ser feitas sem o intermédio de bancos e por meio de uma plataforma online. Nesse sentido, uma modalidade que ficou muito conhecida devido às vantagens e facilidades, tanto para o investidor quanto para o tomador, é o peer-to-peer.

Como funciona o investimento coletivo?

Apesar de ainda lutar contra algumas desconfianças, o financiamento coletivo é reconhecido pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que estipula alguns requisitos para que as empresas possam atuar, garantindo mais segurança nos seus processos.

O funcionamento se dá por meio de plataformas e é bem simples. O dono de um projeto se cadastra e apresenta a ideia aos investidores, também cadastrados. Serão disponibilizadas informações sobre a empresa do possível tomador, dados do plano e o valor que precisa. Sendo assim, como investidor, os seus passos devem ser:

  • Fazer o seu cadastro como investidor;
  • Aguardar o período de aprovação;
  • Analisar e selecionar as oportunidades de investimento;
  • Realizar sua proposta.

Após o tomador pagar o empréstimo coletivo e as parcelas acordadas, você receberá o reembolso e poderá optar por usá-lo para novos investimentos ou sacá-lo. Então, os envolvidos na operação são: a pequena ou média empresa que solicitou o empréstimo, a plataforma que intermedeia o processo e o investidor.

Para garantir que o tomador cumprirá com o pagamento das parcelas — para que você ganhe em cima delas — é realizada uma análise de crédito rigorosa, avaliação do fluxo de caixa e plano de crescimento da empresa, para que o seu dinheiro seja direcionado somente aos negócios que tenham capacidade de pagamento.

Porque é importante ter uma estratégia?

Não é porque o investimento coletivo é um meio mais fácil e menos burocrático, que não há riscos ou necessidade de estabelecer estratégias. Vale ressaltar que essa é uma aplicação como outra qualquer.

Os riscos existentes também são os mesmos, ou seja, do retorno ser menor do que o esperado, a baixa liquidez do investimento, a perda de capital ou a falta de dividendos. Sendo assim, sempre aposte em estratégias antes de disponibilizar o seu dinheiro.

Conheça a empresa que está solicitando o valor, cadastre-se em plataformas de confiança e nunca deixe de avaliar a rentabilidade e o grau da aplicação. Além disso, é preciso ficar atento ao Imposto de Renda, pois os seus rendimentos e resgates precisam estar declarados.

Quais são as taxas envolvidas?

As porcentagens e taxas cobradas variam de plataforma para plataforma. Algumas empresas não fazem a cobrança de nenhum tipo de valor durante o processo. O que é comum de acontecer é a cobrança do custo de TED, caso você queira transferir o dinheiro para a sua conta bancária.

No entanto, como dissemos, é preciso pesquisar e conhecer as condições de cada plataforma, pois pode haver a cobrança de taxas de serviço, por exemplo.

Quais são as principais vantagens e diferenciais?

O investimento coletivo é indicado para investidores que têm o valor mínimo estipulado pela plataforma e desejam ajudar no crescimento e andamento de uma empresa ou projeto.

Por não haver necessidade de burocracias bancárias — o processo é mais fácil e rápido — há vantagens e diferenciais importantes que têm feito essa modalidade de aplicação ganhar espaço no mercado financeiro. Confira algumas delas:

  • Acesso a investimentos de forma rápida, online e segura;
  • Possibilidade de bons retornos;
  • Diversificação da carteira de investimentos
  • Ótima maneira de rentabilizar os seus recursos;
  • Não há taxas administrativas;

Já para o tomador, que é quem receberá o valor, as taxas são consideravelmente mais baixas. Isso permite que a pequena empresa possa arcar com o valor total do empréstimo, reduzindo o nível de inadimplentes nesse tipo de processo.

O investimento coletivo é uma opção muito vantajosa, se você deseja rentabilizar o dinheiro que tem disponível. Apesar de ser uma modalidade facilitada, sem intermediação de bancos e completamente online, é muito segura e confiável.

Quer conhecer mais sobre esse modelo de aplicações? Então, aproveite para conferir o nosso artigo com 4 passos de como escolher uma empresa confiável para o seu investimento peer-to-peer.

investimento coletivo

Assine a newsletter da IOUU e mantenha-se atualizado com as notícias do mercado!

imagem-01-blog

Quem viu esse post também curtiu:

A diferença entre Retorno Sobre Investimento e Tax...

Entender o conceito de retorno sobre investimento ...

leitura de 9 min

Livros sobre investimentos: 6 títulos para ler em ...

Procurar por livros sobre investimentos é o primei...

leitura de 12 min

Aplicações de Renda Fixa: guia completo para inves...

Muitas pessoas buscam por aplicações em renda fixa...

leitura de 8 min